domingo, agosto 26, 2012

Piracicaba 2012: Trabalho Selecionado

Primeiro quero parabenizar os excelentes trabalhos premiados no 39º Salão de Humor de Piracicaba que enriqueceram o humor gráfico nacional e internacional, não apenas pela beleza de seus traços, mas sobretudo, pelas idéias que nos desperta o pensamento crítico.

Fiquei muito feliz em ter meu trabalho selecionado nesta edição e mais feliz em saber que minha opinião e minha indignação será vista.
O que não me deixa feliz, é saber que a matéria prima para os cartuns é vasta e só tende a crescer. Quem me dera um dia, eu não tivesse idéias para desenhos sobre cidades injustas e opressoras.

Abaixo o meu trabalho selecionado para o 39º Salão de Humor de Piracicaba. Clique para ver maior.

quinta-feira, agosto 23, 2012

Deriva Fotográfica do Bem 2012


Em meados da década de 1980, minha madrinha mudou-se com a família de Anápolis para Goiânia. Desde então todas as minhas férias escolares passaram a ser na capital, muitas das minhas melhores memórias são em Goiânia.

Em Goiânia também estão memórias ruins, que nunca serão esquecidas. Pessoas amadas e que foram importantes na minha vida eu me despedi em Goiânia.

Minha Goiânia era o Setor Oeste, o Joquei Clube, o Shopping Flamboyant, a sorveteria Casa Verde em frente a Praça Tamandaré, as locadoras de VHS Opus e Homem de Melo, entre outros. Isso entre 1985 e 1994 era um mundo muito grande para um garoto do interior.


No último sábado, dia 18 de agosto, vivi uma nova e rica experiência na capital goiana, participar da Deriva Fotográfica do Bem.

Organizada pelo arquiteto, escritor, professor e amigo Bráulio Vinícius, a Deriva é, primeiramente uma forma de apoiarmos a Missão Pão e Vida, que ajuda seres humanos que são invisíveis à nossa confortável existência. Em segundo, foi uma oportunidade de registrarmos a cidade de Goiânia, esta bela musa, que sempre tive um grande carinho mas nunca conheci tão de perto.

Também foi uma oportunidade de usar a idéia do Desenhistas Urbanos. Mesmo sendo uma deriva fotográfica, resolvi ser o estranho no ninho e desenhar a cidade ao invés de fotografa-la, deu mais ou menos certo.

Um dia antes da deriva treinei quanto tempo levaria para fazer um desenho e qual técnica usaria, obviamente para minha decepção o desenho teria que ser apenas em linhas rápidas e básicas se eu quisesse acompanhar o grupo de fotógrafos.

O plano que tracei então foi o seguinte: Cortar papéis em diferentes formatos de forma aleatória com o tamanho máximo próximo de um A5, desenhar com lapiseira para não correr o risco de ter que parar para apontar e levar minha câmera compacta para registrar as cores, luzes e sombras para depois pintar os croquis com aquarela. Como critério decidi que não usaria as fotos para corrigir nada feito no grafite.


Alguns registros da experiência:












Até a próxima Deriva




segunda-feira, agosto 06, 2012

Piracicaba 2012

Pela segunda vez tive um trabalho selecionado para o Salão de Humor de Piracicaba, a primeira foi em 2010. Este ano aproveitei a correria que foi o semestre na universidade e enviei quatro ilustrações que usei em meu caderno de TFG, destas quatro, uma foi selecionada na categoria intolerância. O tema, como não podia ser diferente foi a cidade, fonte inesgotável de injustiças, que já que não podemos vencê-las  então as transformamos em humor.

Fiquei duplamente satisfeito, uma pelo fato de ser selecionado, que já é algo fantástico tendo em vista a quantidade de participantes e a qualidade cada vez mais absurda dos trabalhos e a outra é a contribuição crítica sobre como o planejamento atual das cidades brasileiras estão as tornando cada dia mais opressoras.

Não que isso irá mudar a forma dos políticos agirem e pensarem. Mas pelo menos o cartum é uma forma elegante e inteligente de os chamarmos de idiotas.

O trabalho escolhido postarei assim que o salão for encerrado.

Abaixo os três cartuns que não foram selecionados.



quinta-feira, junho 07, 2012

Desenhistas Urbanos

http://farm8.staticflickr.com/7243/7284639788_3b4e3bfc35_o.jpg

Urban Sketchers Films, é parte de um projeto criado pela organização sem fins lucrativos Urban Sketchers que promove a comunicação e conexão entre pessoas que usam o traço como forma de captar a vida urbana.
 
O Brasil faz parte desta conexão pelo blog brasil.urbansketchers.org
http://4.bp.blogspot.com/-6LL7FsqiKIU/T7aG1m09nmI/AAAAAAAAAs0/0DsVrIYnP5k/s970/Header_UsKBR_04_Juliana.jpg

Taí uma boa idéia para o pessoal da Arquitetura e Urbanismo em Goiás começar a praticar, inclusive eu.

Entre os curtas produzidos, dois que eu gosto muito e indico:


Eduardo Salavisa. A drawer of the daily / Um desenhador do quotidiano from José Alfaro on Vimeo.



Red Hook - a film about Tommy Kane from DannyGregory on Vimeo.

sábado, abril 14, 2012

Avenida Brasil e a triste vida do pedestre

As cidades brasileiras a cada dia reafirmam que são lugares "Onde os fracos não têm vez", pedestres, cidadãos com mobilidade reduzida, ciclistas e todos os que assim como eu não possuem um carro. Esta observação já caiu no senso comum e é repetido exaustivamente tanto no meio acadêmico quanto fora dele, porém, este senso comum ainda é virtual, na prática o vencedor da disputa urbana é muito claro. 

A injustiça está no fato de que os pedestres NÃO lutam para tomar o espaço que é dos carros, legalmente temos o nosso espaço garantido, que seriam as calçadas. Seriam, se todo tipo de edificação existente não achasse que este já reduzido espaço fosse estacionamento, extensão de sua loja ou uma pista de corrida com obstáculos.
A desvantagem torna-se ainda maior quando percebemos que o pedestre está sozinho na batalha.

E a coisa se agrava quando somamos o fator Status. 
Infelizmente, ou felizmente eu não estava com a câmera na mão, quando atravessando a Avenida Brasil, NA FAIXA, um sujeito pilotando um Audi TT quis fazer uma graça comigo. Gentilmente e educadamente o aristocrata parou para que eu atravessasse, e confiando na gentileza fui, e eis que o bacana acelera e avança a faixa só para me dar um digamos, "sustinho", claro que foi engraçado, porque o motorista riu, mas só ele riu. Não tenho explicação para isso, não sei se passou pela cabeça do indivíduo a possibilidade de me atropelar.E se passou, o que é pior.O que ele faria se isso acontecesse?

Esta situação me faz lembrar o desenho do Pateta no trânsito. Fora das cápsulas de transporte as pessoas são na maioria gentis e solidárias, ao fundirem-se com a máquina, como Dr. Jekyll and Mr. Hyde, transformam-se em criaturas dispostas a tudo para garantir o seu direito ao espaço.


Entre vários registros que fiz para meu futuro projeto de TFG nos 12,5 Km da Avenida Brasil está a  vida dos pedestres, cada dia mais complicada na disputa por um espaço digno que é seu por direito.













sábado, março 17, 2012

Coletiva Dialetos


Terei a honra de participar com vários artistas goianos do intercâmbio com artistas do Mato Grosso do Sul na coletiva Dialetos. Os trabalhos dos goianos irão para o MARCO, Museu de Arte Contemporânea de Mato Grosso do Sul e as obras dos sul-mato-grossenses virão para Anápolis e serão expostas na Galeria de Artes Antônio Sibasolly.

Parabéns pela iniciativa do curador Paulo Henrique Silva.

Abaixo os obras da série em desenvolvimento "Fantasmas que Habitam as casas Modernistas", da qual três foram selecionadas para participar da coletiva.

Os trabalhos foram desenvolvidos usando técnicas manuais como desenho em nanquim e aquarela com intervenções digitais.

Clique nas imagens para ampliar

 


sábado, março 10, 2012

Uma grande iniciativa




O experiente ilustrador Faoza desde 1998 trabalha no projeto de criar um banco de dados on line que consiste em catalogar o máximo de desenhistas, ilustradores, cartunistas e afins exclusivamente brasileiros, dos iniciantes aos profissionais. Em 2010 o antigo site Casa dos Bonecos evoluiu para o Tupixel que atualmente conta com mais de 2680 artistas cadastrados.

A genialidade da proposta é tanto a possibilidade de divulgar as obras de artistas que não são conhecidos ou até mesmo amadores, quanto a de manter a memória dos grandes mestres do cartum brasileiro, servindo como referência para a nova safra de desenhistas.

Outro detalhe importante no Tupixel é mostrar o quanto a ilustração brasileira é rica, obviamente existem estilos que não me agradam e não me chamam a atenção por questões de juízo de gosto mesmo, o que não quer dizer que muitos destes trabalhos não possuam uma bela técnica ou uma idéia criativa.
Dentre os links que acessei até agora, tanto os artistas que usam técnicas digitais quanto tradicionais, muitos impressionam pela qualidade e profissionalismo e não perdem em nada para os ilustradores internacionais.

Então se você é ou conhece algum ilustrador é só enviar o link para avaliação do portifólio para tupixel@faoza.com

Para conhecer o Tupixel é só clicar na imagem.